2017 e aí

Olá. como foi a primeira semana de 2017 por aí? Aqui foi bem tranquila e dentro das expectativas. Pra variar tem feito um calor enorme e eu estou morrendo de tanto me coçar, a alergia anda atacada esses dias e deu uma piorada depois que fiquei das 10:00 às 18:30 torrando na praia. Mas minha face continua amarela ( graças a Deus) só o resto do corpo que está bem vermelho e me fazendo padecer com o atrito entre a pele e quaisquer tecidos.

img_0787

dona da praia

Ontem foi o segundo plantão do ano e pude constatar que os problemas que tive com o sono em dezembro foram causados pelo descanso eterno de um mês de férias. O mês foi infinitamente inferior ao de 2015, mas serviu para colocar alguns pingos nos is e começar o ano com os compromissos renovados.

Embarquei num projeto de economia num grupo do Facebook, com o objetivo de poupar tempo e dinheiro para me dedicar àquilo que mais gosto e/ou desejo. No caso, viajar. Todos os dias falo em viagem aqui em casa e com uma amiga dos tempos de escola. É um assunto que permeia 95% das nossas conversas pelo WhatsApp e pessoalmente. Aliás, só falávamos na praia sexta-feira passada. Estamos ansiosas.

Esse é o principal projeto para 2017: guardar dinheiro para viajar. E já decidimos o destino. Se tudo der certo, compartilharei aqui também.

Além de firmar as antigas amizades, essa semana consolidou as novas que surgiram com meu retorno à universidade. Gente, como eu precisava disso: estudar e conhecer outras pessoas. As meninas são maravilhosas e muito companheiras, criamos uma boa conexão e, mesmo nesse período de férias, nos mantemos em contato diariamente.

Alguns objetivos para essa primeira semana do ano não foram alcançados, mas estamos trabalhando… Ainda tenho que ir ao mercado e me matricular na academia.

 

Anúncios

Escrever é mágico

Este post é para te lembrar de criar o hábito de escrever.

Vamos lá, menina. Levante-se desse sofá e repouse os glúteos na cadeira confortável do home office e escreva. Comece a colocar as palavras no papel (ou na tela do word) e deixa-as fluir conforme quiserem. Elas são capazes de determinar o fluxo. Confie.

Escreva sobre o tempo, sobre aquele senhor que vende bala no trem, sobre o dia de cão que acabou ou sobre o dia lindo que deixou tão boas memórias.

Não precisa compartilhar todos os textos que se moldarão. Nem tudo é para o conhecimento de todos. Nem tudo fará sentido fora de ti. Às vezes, nem dentro…

Deixa vim.

Boa semana.

 

Por onde andei enquanto você me procurava… em abril

Abril sempre foi meu mês favorito. É o mes do meu aniversário e eu adoro comemorar durante os 30 dias.

Esse ano ele foi bem atípico. Minha pretensão era fazer um BEDA, cheguei a listar mais de 30 sugestões de temas, além do desafio semanal que iniciei em janeiro. Mas a rainha da minha vida, mais conhecida como minha mãe, se adoentou e foi internada. Automaticamente as prioridades mudaram. O que eu queria era garantir que ela recebesse o melhor tratamento, melhorasse logo e voltasse 100% pra casa.

Foram 10 dias que me levaram à exaustão. Só não foram piores pois ela estava internada onde trabalho. Ou talvez esse tenha sido o fator principal para meu alto nível de estresse.

De repente, resolveram transferir minha mãe pra outro hospital e lá fui eu me expor pra conseguir mante-la onde já estava. Ufa, consegui!

WhatsApp não me deu sossego, me mandavam mensagem às 5h pedindo atualização do quadro clínico e foto da velhinha. Acreditem!

Me indispus com muita gente pra manter minha sanidade mental. Fora todos os gastos não esperados com taxi, restaurante…

Mas tudo isso passou e mãe foi pra minha casa. Estive com ela todos os dias durante a internação. Ora trabalhando ora como acompanhante. Morri de saudade quando ela foi pra casinha dela. Ficamos mais próximas, mais cúmplices…mãe

Abril acabou e ainda não consegui retomar minha rotina. Nesse período de internação derrapei na dieta e não caminhei nenhum dia.

Consegui descansar, cuidar do marido. Mas os outros hábitos ainda estão em ritmo lento.

O fim de semana do meu aniversário chegou e ele foi maravilhoso. Estourei o orçamento no shopping. Tudo bem. Em maio trabalharei um bocado a mais pra compensar. Meu marido e minhas sobrinhas organizaram uma festa surpresa que massageou intensamente meu coração. E o melhor de tudo, mãe em casa e saudável novamente.

parabéns

Diante de tudo isso, tornou-se impossível blogar em abril.

Mas compensarei em maio. Retribuirei todas as visitas e comentários deixados aqui durante esse hiato.

Obrigada a todos que permaneceram.

img_8730

 

Vergonhas nossas de cada dia

vergonha

Que atire a primeira pedra quem nunca passou um vexame daqueles que fazem a gente desejar que um buraco de minhoca se abra sob nossos pés e nos engula.

Sobre esses momentos que conversaremos hoje.

Poucas coisas me deixam tão constrangida quanto usar o banheiro e logo depois de mim alguém entrar. É esquisito demais. Parece que a pessoa vai procurar rastros meus pelo recinto ao invés de usá-lo propriamente. Se é que me entendem…

Outra situação que me deixa com cara de cachorro usando o cone da vergonha é ouvir fofocas e boatos sobre alguém que eu conheço. Sabe quando você é a terceira pessoa num lugar e as duas primeiras conversam entre si falando mal de um conhecido seu? Então, eu fico sem-graça ao extremo nessas ocasiões.

Também fico pra morrer de vergonha (mais raiva do que vergonha) quando algum acompanhante meu destrata outra pessoa na minha frente. Sabe aquele ser que pra se mostrar faz grosseria com o garçom, com o atendente da loja, com um vendedor? Dependendo de quem seja eu repreendo na hora. Antes eu tolerava, agora não mais. E a possibilidade da amizade acabar ali é bem grande.

Quer ver outra coisa que racha minha cara? É sair com roupa pelo avesso. Sou mestra em sair assim e só perceber depois de já estar de volta em casa. Aí fica aquela vergonha tardia, sabem como é?

E por último, mas não menos constrangedor, aquele momento em que o cartão de crédito NÃO PASSA!!!!

Plus: a foto que ilustra este post.

Este post faz parte do Desafio 52 semanas, semana 13. Clique aqui para ler os outros posts publicados para o projeto.

Brincadeira de criança, como é bom…

papelaria

Eu tive que recorrer a sessões de hipnose (a.k.a. perguntar pra minha mãe) pra responder ao desafio de hoje e listar as minhas brincadeiras ou brinquedos preferidos da infância.

Quando eu penso na minha infância, eu lembro de papel e caneta (lápis não servia de jeito nenhum). Acho que o vício em papelaria começou ali.

Já naquela época os eletrônicos exerciam um fascínio sobre mim. Nos anos 90 era comum a gente ter aqueles mini-games, em tela preto e branco, que a gente perdia horas jogando Tetris, o jogo da cobrinha e o do carrinho. Apollo, hey!

Eu lembro de ter ganhado um tecladinho de presente de natal, dado pela empresa onde meu pai trabalhava. Mas o bichinho não durou muito tempo pois ele chegou até mim no mesmo período em que bateu aquela curiosidade de saber como as coisas funcionavam. Em pouco tempo ele estava todo desmontado e sem emitir um som se quer.

Mas eu também brincava de bonecas. Não era minha brincadeira preferida, mas ok. Estavam lá e me faziam companhia na hora de brincar de cabaninha. Eu destruía as bonecas, gente. Arrancava os braços, perdia os sapatos, cortava o cabelo, riscava com caneta…

E já no fim da infância e adentrando a pré-adolescência eu gostava mesmo era de andar de bicicleta ou patins com minhas sobrinhas e alguns coleguinhas da rua. Aliás, a nossa atividade favorita era brigar, né Fernanda e Renata? 😀

Eita, desafio pra me deixar nostálgica…

Este post faz parte do Desafio 52 semanas, semana 11. Clique aqui para ler os outros posts publicados para o projeto.

Uns fatos aleatórios sobre mim…

mãos

Sempre carrego um livro ou o Kobo na bolsa. É ótimo quando surge uma brechinha no tempo, entre uma atividade externa ou outra e dá pra adiantar a leitura do livro da vez.

Comunico-me com as mãos, tem gente que não gosta, diz que dá nervoso. Eu até tento me controlar mas só piora. 😄

Falo sabão em pó líquido. Invariavelmente. É como se sabão em pó fosse uma categoria de produto e não a forma de apresentação dele. Uma loucura, sofro bulliyng por isso.

E sempre, sempre e sempre sirvo o feijão antes do arroz no meu prato.

Este post faz parte do Desafio 52 semanas, semana 7. Clique aqui para ler os outros posts publicados para o projeto.

Que fase!

De que adianta uma miniférias de 5  dias se você passa 4 à beira da morte com enxaqueca? E o pior de tudo, o marido viajando e não ter ninguém com quem brigar. Todo mundo sabe que é de praxe brigar com o ser humano mais próximo em casos de dor ou fome.

Eu esperei tanto por esses 5 dias de descanso, dormir sem hora pra acordar, fazer uma maratona de leitura, praticar a escrita, ir conhecer a academia nova… Mas tudo que consegui fazer foi ficar trancada no quarto sem uma fonte de luz se quer pra não piorar a dor.

Nem isso deu muito certo pois os prestadores de serviços da loja de móveis escolheram o dia em que a enxaqueca estava mais forte pra montarem minha mesa. E esse dia também era dia de manicure. Já estava marcado e era do outro lado da rua. Só atravessar. Sem desculpas pra não ir. Entretanto, perdi meu cartão do banco e tive que pagar a manicure no crédito. Totalmente contra os meus princípios usar o cartão de crédito pra esse tipo de serviço.

Além de à beira da morte por conta da enxaqueca, passei esses 5 dias sem dinheiro nenhum. Saques sem cartão de crédito apenas na minha agência, e ela fica próxima ao meu trabalho. Quais as chances de eu aparecer lá durante esses dias? Aí eu fui ontem no shopping e resolvi dar uma olhadinha no caixa eletrônico, vai que um milagre de Roque Santeiro acontecesse e eu conseguisse sacar meus pouquíssimos reais restantes…

Eu só precisei ler o QR code que apareceu na tela do caixa com o aplicativo do meu banco instalado no celular. Pronto! Dinheiro na mão.

É ou não é pra terminar o mês com vontade de se autoinflingir torturas impronunciáveis?

Mas é como diz o ditado… vamo fazê o quê?