#3filmes – alquimia, gentileza e premonição

Há dois posts atrás apresentei a maratona de filmes de inverno e hoje trago a primeira atualização sobre as quatro primeiras obras que assisti.

Como água para chocolate, de Alfonso Arau (1992)

como água para chocolate filme

O primeiro filme da lista e o primeiro que assisti, esse filme mexicano venceu o festival de Gramado (1993) nas categorias melhor atriz e melhor atriz coadjuvante. Ele conta a história de Tita, filha caçula de uma família muito rígida e que levava a sério as tradições familiares, entre elas, a que dizia que a filha mais nova nunca se casaria pois sua função era cuidar da mãe até que ela morresse. Só que Tita se apaixona e por conta da tradição vê o seu grande amor se casando com sua irmã mais velha. E todo mundo vai morar na mesma casa. Tita é a cozinheira da família e sempre que cozinha usa seus sentimentos como ingrediente especial, deixando os comensais enfeitiçados.

O filme é uma graça, tem muito do realismo mágico tipicamente latino americano, o que deixa tudo mais interessante. Os conflitos são resolvidos facilmente.  Tem todas as limitações que uma produção de um filme num país com pouca tradição no cinema poderia ter. Aliás, o filme é uma adaptação de um livro homônimo escrito por Laura Esquivel.

Avaliei com 3 estrelas. Recomendo para as românticas inveteradas

O fabuloso destino de Amélie Poulain, de Jean-Pierre Jeunet (2001)

amelie poulain filme

Preciso começar este parágrafo dizendo que eu tinha birra com esse filme. Sempre que topava com ele, torcia o nariz. Por quê? Porque ele é filme de hipster e por isso peguei bronca dele. É um motivo justificável? Não. Mas compreensível, vai…

Enfim, como eu montei a lista para a maratona baseada no que tem disponível na Netflix, não tive como fugir dele. Quando dei o play até o marido sentou pra assistir ( DE NOVO) comigo. Seria o Michel um hipster? Fica aqui o questionamento. Só sei que eu adorei o filme, achei de uma fofura sem tamanho. Amélie é adorável, não é 100% perfeita mas é inspiradora e transmite aquele bem-estar no fundinho do coração, sabe? Romance cinco estrelas.

Minority Report, de Steven Spielberg (2002)

minority report filme

Minority report estava na minha lista da Netflix desde que assinei o serviço em 2014. Mas nada de eu assisti-lo. Lembro que fiquei com vontade de assisti-lo à época do lançamento mas acabei por perder o interesse diante de críticas tão negativas que ele recebeu e foi para o limbo. Quando soube que ele é baseado num conto de ficção científica de Phillip K Dick o interesse voltou mas ele continuou paradinho ali, aguardando seu momento.

Três jovens conhecidos como precogs são capazes de prever o dia e a hora onde assassinatos ocorrerão. John Anderton é líder da equipe que recebe essas informações e mobiliza um grupamento tático pra evitar que esses assassinatos aconteçam. Todo um dilema ético envolvido já que pessoas são presas por crimes que não cometeram e os precogs, de certa maneira, também estão aprisionados. Vai tudo muito bem até que Anderton vira alvo da sua própria equipe e precisa fugir pra provar sua inocência.

Dei três estrelas. Gostei do filme mas não foi nada óoooo, que filme maravilhoso.

Três filmes absurdamente diferentes, pra todos os gostos.

Por hora, é isso. Pretendia falar sobre quatro filmes hoje, mas esse post já está gigantesco.

Saiba mais sobre a maratona de filmes de inverno clicando aqui.