Brincadeira de criança, como é bom…

papelaria

Eu tive que recorrer a sessões de hipnose (a.k.a. perguntar pra minha mãe) pra responder ao desafio de hoje e listar as minhas brincadeiras ou brinquedos preferidos da infância.

Quando eu penso na minha infância, eu lembro de papel e caneta (lápis não servia de jeito nenhum). Acho que o vício em papelaria começou ali.

Já naquela época os eletrônicos exerciam um fascínio sobre mim. Nos anos 90 era comum a gente ter aqueles mini-games, em tela preto e branco, que a gente perdia horas jogando Tetris, o jogo da cobrinha e o do carrinho. Apollo, hey!

Eu lembro de ter ganhado um tecladinho de presente de natal, dado pela empresa onde meu pai trabalhava. Mas o bichinho não durou muito tempo pois ele chegou até mim no mesmo período em que bateu aquela curiosidade de saber como as coisas funcionavam. Em pouco tempo ele estava todo desmontado e sem emitir um som se quer.

Mas eu também brincava de bonecas. Não era minha brincadeira preferida, mas ok. Estavam lá e me faziam companhia na hora de brincar de cabaninha. Eu destruía as bonecas, gente. Arrancava os braços, perdia os sapatos, cortava o cabelo, riscava com caneta…

E já no fim da infância e adentrando a pré-adolescência eu gostava mesmo era de andar de bicicleta ou patins com minhas sobrinhas e alguns coleguinhas da rua. Aliás, a nossa atividade favorita era brigar, né Fernanda e Renata? 😀

Eita, desafio pra me deixar nostálgica…

Este post faz parte do Desafio 52 semanas, semana 11. Clique aqui para ler os outros posts publicados para o projeto.