Não se aproxime!

Poucas coisas me deixam de mau humor, assim, mau humor de verdade, daqueles que produzem o olhar no melhor estilo supernatural de ser.

Em primeiríssimo lugar, a fome. Acredito que não haja ser nesse mundo que fique mais mau humorado e rabugento do que eu quando estou com fome. Nem eu me aguento. Viro bicho.

Ter que fazer o trabalho dos outros também me tira do sério. E olha que sou extremamente calma e controlada no serviço. Mas sabe aquela pessoa que não faz o dela, te empurra tarefas e e pra piorar ainda te atrapalha? Uh!

Há também os fatores físicos. Dor é um negócio difícil de lidar e, dependendo de sua etiologia, intensidade e localização, ela produz reações diferentes. Mas em todos os casos eu simplesmente não falo. Não gosto que cheguem perto de mim, que conversem, que respirem perto. E justamente nessas horas que todo mundo resolve puxar assunto, se aproximar… Por quêeeeeeeeee?

Esses três fatores desencadeantes do mau humor elevam ao máximo o meu nível de insuportabilidade. Aquela maniazinha que a outra pessoa tem e que não te incomoda, vira um defeito impossível de ser tolerado.

Em todos os casos, a solução se apresenta de maneira rápida de fácil. Comer, tomar um analgésico ou dar uns berros com o coleguinha se mostram bastante eficazes no combate ao meu mau humor.

Este post faz parte do Desafio 52 semanas, semana 20. Clique aqui para ler os outros posts publicados para o projeto.

Ps: ficar sem meus óculos também me deixa bastante irritada. Não é nada agradável não enxergar as pessoas, placas, letreiros, o mundo…

Ps²: ficar sem dinheiro. Nem precisa explicar, né? Ainda mais com o atual cenário político e econômico do nosso país.

E você, amiguinho, o que te deixa com nível hard de mau humor?

Está permitido dançar ouvindo música na rua

Resolvi meu problema de espaço e o Spotify e agora não faço outra coisa na vida que não ouvir música. Meu trajeto casa-trabalho-casa está salvo.

Eu me acabo no ônibus, quando estou ouvindo música. Outro dia, voltando pra casa, tinha um tanto de gente com seus fones, curtindo o som, mexendo o ombrinho e uma menina ovelha desgarrada estava tal qual uma estátua. A pessoa não mexia nem a perninha. Fiquei indignada (vejam só vocês meu nível de loucura) Gente, os fones de ouvido estão aí pra isso, pra transformar-nos, pobres mortais, em rockstars.

Eu faço altas coreografias andando na rua, lógico que algumas delas não saem do âmbito do pensamento, se não eu iria diretinho pra Colônia Juliano Moreira, mas poxa… É divertido demonstrar a empolgação com a música ouvida.

O que eu realmente quero com esse post é saber como alguém pode ouvir música e não se teletransportar imediatamente pra um palco e se apresentar num show, tipo, Rock in Rio?

Ajudem-me a entender. Afinal, está permitido dançar ouvindo música na rua.

Se você não curte, ok, mas me explica. 🙂